Friday, July 25, 2008

Intenso

Como o rio caudaloso,
Que despenca das pedras
Fazendo a cachoeira...

Como o fogo,
Que arde e ilumina
E aquece...

Como os desejos da alma,
Que a ameaçam
E alimentam...

Como a dor,
Que aniquila as forças
E faz tombar...

Como o medo,
Que nos protege
E nos sufoca...

Como a coragem,
Que nos impulsiona
E nos atira aos abismos...

Como o vento,
Que empurra as naus
E tomba os fracos...

Como os segredos,
Que nos submetem
E nos denunciam...

Como as enchentes,
Que nos afogam
E fecundam a terra...

Como o Amor,
Que nos faz sonhar
E nos mantém vivos.

Assim também os teus olhos,
Teu corpo, teus instintos,
Tuas vontades, Teus delírios,
Teus caminhos, tuas cobiças,
Tuas palavras, teus gestos,
Os sabores que se espalham
Sobre a tua pele, sobre o teu sorriso...

Assim meus receios, meus temores,
Minhas decisões de vida e de morte,
Minhas incompreensões de existir
Em discordância com o tempo
Dos sonhos que minha ousadia sonha.

Assim teu poder sobre meu pensamento:
Intenso.
Como tudo o que sonho e espero,
Desde sempre.

Intenso.
Como tudo o que me eleva aos céus
E me conduz ao inferno.

Intenso.
Como eu mesma sou, (in)voluntariamente.
E como me permito ser,
Em meio às convenções e banalidades
Ds quais não posso ainda desatar meus pés.

Intenso.
Como precisa ser o anjo da morte,
Se um dia quiser me conduzir.
Porque apenas o que é profundo,
Apenas o que é autêntico, forte, imutável
Pode me estender os braços e me acolher.

Recuso-me ao superficial. Prefiro morrer afogada!

A segurança da calmaria não me atrai,
Como me atraem as águas profundas e gélidas,
Pois é nessa profundeza que me entrego,
É nessa intensidade de vida e de morte
Que me deixo adormecer todas as noites.
À espera do momento em que não precise mais subir à tona e respirar,
Nem acordar dos sonhos que alimento e guardo
Nas profundezas do meu ventre.

Intensidade é o teu nome.
E é pelo som da tua respiração que me guio,
Pelo cheiro do teu corpo que deliro,
Pelo gosto salgado do teu suor que tenho sede.

Intensidade é o teu nome.
E esperei por ti a vida inteira... Achando que era apenas um sonho!

EmmyLibra, em july 26 / 2008 - 00:45am

2 comments:

Marcelino said...

Engraçado, me senti dentro de seu texto por algumas horas...

vida maluca,

Te amo, irmã!

Embora distantes, tanto no tempo quanto na kilometragem, o respeito e admiração somente crescem

Abraços, a ti e familia!

Paulo Sview said...

Hmmm.. vi você de cabelão rsrs, Acho que você fica melhor com o cabelo curto!! Interessante teu blog, inteligente, atual e agradável. Eu num disse que queria ser uma Emmy quando crescer?? Inteligente, criativa, escritora, fala ingles e espanhol, cantarola em árabe, expert em corel e photoshop rsrsrs...
Um abraço